sexta-feira, 14 de agosto de 2015

O cordão de São José

O significado do cordão: Jesus exorta-nos a que nos preparemos para a vida eterna com a pureza de vida e as obras santas, afirmando em São Lucas "...Estai preparados, cingidos e com a lâmpada acesa..." (12,35).

O cordão significa a pureza; é símbolo de fé. Diz São Paulo: "Cingi-vos com o cordão da verdade...". (Ef. 6,14). É também símbolo de justiça e de fortaleza, e símbolo de penitência.

Origem: Contam os Bolandistas (grupo de colaboradores jesuítas que prossegue a obra hagiográfica iniciada no século XVII pelo padre Jean Bolland (1596 - 1665) em Anvers, dedicada à recopilação de todos os dados possíveis sobre os santos católicos, que no ano de 1659, uma freira de Anvers (Bélgica), de seu nome Elizabeth (Isabel), obteve uma milagrosa cura fazendo uso de um cíngulo (cordão) benzido em honra de São José. O seu exemplo foi depois seguido por numerosas outras pessoas, que alcançaram graças espirituais e também corporais e experimentaram sensivelmente a proteção do santo Patriarca.

Como está feito? É de lã ou de algodão branco, comprido quanto baste para circundar a pessoa e que caia um dos seus extremos com 7 nós, em memória das dores e alegrias de São José.

O cordão deve ser benzido por um sacerdote.

A benção litúrgica foi aprovada pelo Papa Pio IX a 19 de Setembro de 1859, e encontra-se no ritual romano. Compõe-se de cinco orações. Na primeira, invoca-se a benção sobre o cordão, que se chama "documento de castidade"; na segunda invoca-se o dom da pureza de mente e de corpo; na terceira, novamente, se invoca a intercessão de São José, custódio de Jesus e Maria, para a castidade; na quarta roga-se por uma vigilante espera da boa morte. O sacerdote, nesse momento, abençoa e incensa os cíngulos e conclui com uma quinta oração, invocando de Deus o dom da perseverança e a vida eterna.

O cordão tem que circundar a pessoa. Pode ser usado também entre a roupa. Benze-se somente o primeiro; os outros sucessivos (em caso que se perca o primeiro) não é necessário que sejam benzidos; não necessitam a imposição por parte do sacerdote, bastando a benção e o ritual já impostos por ele no primeiro cordão.

O uso do cordão é particularmente recomendado às pessoas doentes.


Mas vejamos mais detalhadamente o milagre do cordão de São José:

Foi no século XVII, em Anvers, na Bélgica, no convento das Agostinhas.

Ia já para três anos que Soror Isabel Sillevorts se via atacada pelo mal-de-pedra (cálculo renal). Dores lancinantes. Os recursos da medicina, baldados.

Animada pela mais firme confiança no patrocinio de São José, Soror Isabel, tendo obtido do sacerdote que lhe benzesse um cordão, cinge-o em homenagem ao grande Patriarca, abandona os recursos da medicina e começa com todo o fervor uma novena de súplicas ao Esposo puríssimo da Virgem Mãe de Deus , certa de que seria por ele ouvida e curada.

Dias depois, a 10 de Junho de 1649, quando por entre os estertores de agudíssimo sofrimento a pobre fazia ao santo a mais ardente súplica, eis que de repente se vê livre de um cálculo de desproporcionadas dimensões e completamente curada.

Rápida foi a repercussão do milagre, que muito serviu para consolidar nos habitantes de Anvers a devoção a São José, então já bastante espalhada.

Mais tarde, a 3 de Janeiro do ano seguinte, lavrou-se disso uma ata autenticada pelas assinaturas da Madre Priora do Convento, Soror Maria Martens, de Soror Catarina Martens, a enfermeira da Comunidade, e da própria agraciada, Soror Isabel  Sillevorts.

Em 1842, por ocasião dos piedosos exercícios do mês de São José, foi esse fato publicado na igreja de São Nicolau, na cidade de Verona, Itália, e muitas pessoas doentes, cingindo-se então com o cordão bento, experimentaram o valioso auxilio do santo Patriarca.

Daí se foi estendendo o uso do cordão de São José, e hoje não só é procurado para alivio das enfermidades corporais como também, e com igual sucesso, nos perigos da alma.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...